Prestes Maia

Timeline created by mariaalice36
  • Nascimento (Amparo - SP)

    B.P.M. Filho de Manoel Azevedo Maia e Carolina Pupo Prestes. Manoel saiu ainda muito jovem de Valença-RJ p/ tentar a vida em Ribeirão Preto, mudou-se para Itapira, SP e depois para Amaro, onde empregou-se na Pharmacia São Miguel, de propriedade do irmão de Carolina.
  • Muda-se para São Paulo aos 11 anos e ingressa no Gymnasio de São Bento

    B.P.M.
    CPDOC: Concluiu o curso de humanidades no Ginásio São Bento (ano?)
  • Ingressa na Escola Politécnica

    Fonte: Os arquitetos da Poli
    B.P.M.
  • Diploma-se engenheiro civil e arquiteto pela Escola Politécnica de São Paulo

    Fonte: Os arquitetos da Poli p.154
    B.P.M.
  • Monta um escritório de negócios imobiliários

  • Conhece o engenheiro João Florence de Ulhôa Cintra (1887 - 1944), técnico da Diretoria de Obras Municipais

    Se torna seu parceiro de concepções e de projetos urbanísticos por um longo período, além de uma espécie de mentor profissional. É de Cintra, por exemplo, a primeira proposta de intervenção urbana que ultrapassa os limites da colina central - o Perímetro de Irradiação, 1922 -, um anel de circulação viária inspirado nos estudos de Eugène Hénard (1849 - 1923), o "pai do urbanismo francês". (https://www.escritoriodearte.com/artista/prestes-maia)
  • Entra para a Diretoria de Obras Públicas (DOP) da Secretaria de Viação e Obras Públicas do governo estadual ingressando na comissão que projetou e construiu obras urbanísticas na capital

  • Sem contrato escrito, monta um escritório de engenharia com o Engenheiro Antônio Smith Bayma

  • É contratado como professor interino da Escola Politécnica lecionando na cadeira "Desenho Geométrico e à Mão Livre" até 1925.

    É contratado como professor interino da Escola Politécnica lecionando na cadeira "Desenho Geométrico e à Mão Livre" até 1925.
    B.P.M.
    É contratado professor interino de Enrico Vio na aula de 'Desenho Geomético e a mão livre', do curso PRELIMINAR da Politécnica. Fonte: Os engenheiros da poli
  • Realiza juntamente a Ulhôa Cintra um estudo para melhorar a circulação de veículos no centro da cidade no qual propuseram o alargamento de uma série de ruas formando um anel viário no entorno da zona central.(Maia e Cintra,1924/1926;91-94,121-132,225-232

    Realiza juntamente a Ulhôa Cintra um estudo para melhorar a circulação de veículos no centro da cidade no qual propuseram o alargamento de uma série de ruas formando um anel viário no entorno da zona central.(Maia e Cintra,1924/1926;91-94,121-132,225-232
    "O problema do trânsito vinha sendo bastante debatido na ocasião e diferentes soluções apresentadas, como, por exemplo, uma proposta de alargamento das calçadas e estreitamento do leito carroçavel das ruas de mão única da área central (A construção em São Paulo, 1925). Já em 1923, José Antônio da Fonseca Rodrigues havia elaborado o projeto de uma "grande avenida central" com trechos em viaduto, unindo o largo do Arrouche à avenida Rangel Pestana.". p.155
  • Ulhôa Cintra faz um primeiro plano de conjunto para o centro da cidade, ampliando justamente o traçado de Fonseca Rodrigues. Partindo dos conceitos de Hénard, constatava a existência em São Paulo de um "centro nitidamente caracterizado servido por um

    Ulhôa Cintra faz um primeiro plano de conjunto para o centro da cidade, ampliando justamente o traçado de Fonseca Rodrigues. Partindo dos conceitos de Hénard, constatava a existência em São Paulo de um "centro nitidamente caracterizado servido por um
    grupo suficiente de vias radiais de bom traçado" e apresentara o traçado de uma avenida envoltória da zona central que chamou de 'perímetro de irradiação'" Fonte: Os arquitetos da Poli p 155
  • Abre um sociedade com Domingos Assumpção Filho, Armando Pederneiras, Lineu Vampré e Antônio Smith Bayma, denominada "Vampré e Assumpção"

    Adquirem, sob empréstimo do Bank of London, a chácara Jaboticabeiras para fazerem um loteamento. Embora houvesse o contratempo da Resolução de 1924, foram vendidos terrenos suficientes para liquidar o empréstimo. A sociedade foi desfeita e Maia ficou com sua parte (1/9) dos lotes.
    B.P.M.
  • Elabora projeto de remodelação do Viaduto do Chá, da fachada do Instituto de biologia, etc.

    Elabora projeto de remodelação do Viaduto do Chá, da fachada do Instituto de biologia, etc.
    B.P.M.
  • É interino nas cadeiras "Desenho Arquitetônico e Esboço do Natural e Desenho de Perspectiva" pertencentes a Victor Dubugras

    É interino nas cadeiras "Desenho Arquitetônico e Esboço do Natural e Desenho de Perspectiva" pertencentes a Victor Dubugras
    B.P.M.
    Como interino de Victor Dubugras lecionou as aulas de "Desenho Arquitetônico e Esboço do natural" do primeiro ano do curso geral e de "Desenho de Perspectiva" do primeiro ano do curso de Engenheiro arquiteto, sendo efetivado seu professor em abril de 1927
  • Assumiu a chefia da Secretaria de Viação e Obras Públicas da Prefeitura de São Paulo durante a gestão de José Pires do Rio (1926-1930)

    CPDOC FGV
    data?
  • É efetivado como docente da Escola Politécnica

    É efetivado como docente da Escola Politécnica
    B.P.M.
  • Cia Light & Power apresentou à prefeitura um plano que incluía uma remodelação do sistema de transporte de bonde e de transporte subterrâneo no centro da cidade. Após discussões, não foi aprovado.

    Cia Light & Power apresentou à prefeitura um plano que incluía uma remodelação do sistema de transporte de bonde e de transporte subterrâneo no centro da cidade. Após discussões, não foi aprovado.
    "o chamado Plano da Light, realizado pelo engenheiro canadense Norman Wilson e no qual já estava previsto um sistema de transportes coletivos metropolitanos (Freire Jr.1942p.78;Maia et alii,1956,pp-68-69). No entanto, apesar do parecer favorável de um consultor(eng escocês James Dalrymple,diretor do Dep.de Bondes da pref. de Glasgow),o prefeito Pires do RIo nao provou o projeto(Dalrymple,1927,p.39-48). E encomendou um outro projeto a Maia, conhecido como plano de avenidas" Os arquitetos... p155
  • Projeta a Ponte Grande (hoje Ponte Pequena) a pedido do então Engenheiro-Chefe da Secretaria de Viação e Obras Públicas, João F. Ulhôa Cintra, autorizado pelo prefeito Pires do Rio

    Projeta a Ponte Grande (hoje Ponte Pequena) a pedido do então Engenheiro-Chefe da Secretaria de Viação e Obras Públicas, João F. Ulhôa Cintra, autorizado pelo prefeito Pires do Rio
    B.P.M.
  • Nomeado "Engenheiro-arquiteto" da Diretoria de Obras Públicas da Secretaria de Estado dos Negócios da Viação e Obras Públicas, onde trabalhava contratado verbalmente.

    B.P.M.
  • É júri do concurso do Palácio do Congresso Estadual, representando a Secretaria de Viação

    É júri do concurso do Palácio do Congresso Estadual, representando a Secretaria de Viação
    Fonte: Os arquitetos da Poli
    B.P.M.
  • Colaborador da revista Arquitetura e Construções (1929, p.1)

    Colaborador da revista Arquitetura e Construções (1929, p.1)
    Os arquitetos da Poli, p. 166
    NÃO BATE COM A FONTE DA BPM QUE DIZ TER SIDO DURANTE A SEGUNDA GESTÃO
  • "Estudo de um Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo" é apresentado à Prefeitura, prevendo um sistema de avenidas radiais e perimetrais, além de um sistema de metropolitanos (metrô)

    "Estudo de um Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo" é apresentado à Prefeitura, prevendo um sistema de avenidas radiais e perimetrais, além de um sistema de metropolitanos (metrô)
    "O 'Plano de Avenidas', como ficou conhecido representou uma alternativa ao proposto pela Light e foi adotado como plano de reformulação do sistema viário por Prestes Maia quando prefeito de SP no período do Estado Novo." (LEME, p.486)
  • O estudo é apresentado no 4º Congresso Panamericano de Arquitetos no Rio de Janeiro e recebe o prêmio de honra, medalha de ouro e grande diploma

    O estudo é apresentado no 4º Congresso Panamericano de Arquitetos no Rio de Janeiro e recebe o prêmio de honra, medalha de ouro e grande diploma
    Fonte: Revista de Engenharia Mackenzie, 1930, pp.146-147 in arquitetos da poli p.156
  • Após a Revolução de 1930, Maia com vinculações políticas com o lado perdedor, volta-se mais a suas atividades privadas e ao DOP.

    O processo de centralização política, então iniciado, foi acelerado a partir do golpe militar que implantou o Estado Novo em 10 de novembro de 1937, retirando completamente a autonomia dos estados e municípios. CPDOC
  • Foi um dos fundadores do Instituto Paulista de Arquitetos, sendo seu vice-presidente de 1930 a 1931 (Instituto Paulista de Arquitetos, 1930/3, pp.1-2 e 5-8)

    B.P.M.
  • Participa do 1º. Congresso de Habitação do Instituto de Engenharia (Boletim do Instituto de Engenharia, 1931, p.167)

    Participa do 1º. Congresso de Habitação do Instituto de Engenharia (Boletim do Instituto de Engenharia, 1931, p.167)
    B.P.M.
  • Sócio-correspondente pelo Brasil na revista Arquitectura

    Sócio-correspondente pelo Brasil na revista Arquitectura
    Arquitectura (Sociedad de arquitectos de Uruguay). Ano 1932, año XVIII, nº 175 - julio/agosto, p.14
  • Publica o artigo "Progressos e Tendências do Concreto Armado” (Maia, 1932, pp.37-42; 59-64)

    Publica o artigo "Progressos e Tendências do Concreto Armado” (Maia, 1932, pp.37-42; 59-64)
    Os arquitetos da Poli, p.166
  • Emite parecer sobre o plano do Recife, elaborado em 1932, pelo arquiteto pernambucano Nestor Ernesto de Figueiredo. Publica posteriormente as informações colhidas nessa viagem sob o título "Os Melhoramentos do Recife".

    Emite parecer sobre o plano do Recife, elaborado em 1932, pelo arquiteto pernambucano Nestor Ernesto de Figueiredo. Publica posteriormente as informações colhidas nessa viagem sob o título "Os Melhoramentos do Recife".
  • É júri do concurso do edifício do Conde Matarazzo no Vale do Anhangabaú representando a Secretaria de Viação

    É júri do concurso do edifício do Conde Matarazzo no Vale do Anhangabaú representando a Secretaria de Viação
    Fonte: Os arquitetos da Poli
    B.P.M.
  • Como engenheiro do DOP realiza alguns projetos arquitetônicos, como o Pavilhão Paulista para a Exposição Farroupilha, em Porto Alegre (Maia, 1935, snp)

    Como engenheiro do DOP realiza alguns projetos arquitetônicos, como o Pavilhão Paulista para a Exposição Farroupilha, em Porto Alegre (Maia, 1935, snp)
    "Esse projeto (acho que chegou a ser construído) demonstra a pouca afinidade que tinha para a atividade projetual: o prédio reproduzia a bandeira do estado na fachada, lembrando o Edifício Ouro por São Paulo, realizado pela Severo & Villares no mesmo ano, com um efeito bastante infeliz." Fonte: Os arquitetos da Poli p. 155
  • Funda a Sociedade Amigos da Cidade, juntamente com Anhaia Mello, e torna-se seu primeiro presidente.

    Vice: Goffredo da Silva Telles
    Essa entidade particular foi criada com o intuito de desenvolver campanhas de esclarecimento da opinião pública sobre a premência quanto à definição de um plano conjunto para São Paulo e de uma legislação para a desapropriação de terrenos urbanos. Outro objetivo era a organização junto à prefeitura de uma Comissão do Plano da Cidade, que veio a ser estabelecida pela lei n.3611 de 23/06/1937. Pela SAC maia publicou O Zoneamento urbano.
  • Rascunho de exposição preliminar do Plano de Urbanismo para Campinas

    Rascunho de exposição preliminar do Plano de Urbanismo para Campinas
  • Registrado no CREA 6ª região de 1936 em diante.

  • Apresentação do "O Zoneamento Urbano" para a Sociedade dos Amigos da Cidade e aprovado pelo conselho diretor da SAC

    Apresentação do "O Zoneamento Urbano" para a Sociedade dos Amigos da Cidade e aprovado pelo conselho diretor da SAC
    No momento é presidente da SAC, professor da Politécnica e engenheiro chefe do escritório técnico do DOP da Secretaria de Viação
  • A Comissão do Plano da Cidade, reivindicada pela Sociedade Amigos da Cidade, é estabelecida oficialmente, abrindo caminho para a implantação, ainda que parcial, do Plano de Avenidas, após a nomeação de Maia como prefeito

    Não é instalada por Maia quando prefeito talvez já se afastando das concepções urbanísticas de Anhaia Mello, como ressalta Sylvia Ficher. (p.157)
  • Criação da Divisão de Rios e Águas Pluviais (Ato n.1.413, de 8 de junho), visando o início da retificação do rio Tietê

    Com o Ato n.1.542, de 24 fev. 1939, introduziu modificações no projeto realizado por Saturnino de Brito entre 1923 e 1925 e alterado pela Divisão de Urbanismo da Prefeitura (Lei n.3.065 de 15 julho 1927) e autorizou desapropriações necessárias à execução da obra (Revista do Club de Engenharia, 1964, p.17). Ao seu término, com o Decreto n.398, de 4 de março de 1943, autorizou desapropriações para a execução da avenida marginal do Tietê. Fonte: Os arquitetos da Poli, p. 159
  • Obras na avenida Pacaembú, desincorporando áreas do domínio público para permutas com particulares.

    Obras na avenida Pacaembú, desincorporando áreas do domínio público para permutas com particulares.
    "Para concluir as obras de acesso ao Estádio Municipal do Pacaembu, desincorporou do domínio público inúmeros trechos de ruas e praças para permuta com particulares (Ato n.1.467, de 30 ago,1938);perfeccionista, nas obras da av. Pacaembu chegava mesmo a especificar o tipo de pavimentação das calçadas (Decreto n.375, de 23 dez.1942).
  • Optou por seu cargo na Secretaria de Viação e Obras Públicas e saiu da Politécnica.

    Sua passagem pela Politécnica não deve ter representado nenhuma revolução no ensino. Segundo o depoimento de alguns de seus ex alunos, apesar de excelente desenhista, ele nunca se sobressaiu por seu interesse ou didática. (Artigas, 1982, p.10. Pimentel, 1986, p.20; in FICHER) Estado novo: 10 de novembro de 1937, que vigorou até 31 de janeiro de 1946. A lei é de 19 dias após a implantação do estado novo.
  • Deixa o cargo de professor efetivo da Poli devido à proibição de acúmulo de cargos públicos pelo Decreto-Lei Federal n.24 de 29 de novembro de 1937, permanecendo na Secretaria de Viação e Obras Públicas.

    Deixa o cargo de professor efetivo da Poli devido à proibição de acúmulo de cargos públicos pelo Decreto-Lei Federal n.24 de 29 de novembro de 1937, permanecendo na Secretaria de Viação e Obras Públicas.
    Fonte: Os arquitetos da Poli p.154
  • Publica "Os Melhoramentos de São Paulo"

    Publica "Os Melhoramentos de São Paulo"
    B.P.M.
  • Assume a prefeitura de SP

    1650000 habitantes ao final do seu mandato
  • Diante da não renovação do contrato de transportes com a Light & Power Company, detentora desse monopólio desde 1899, em 1939, cria a Comissão de Estudos de Transportes Coletivos, que resulta na Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos, em 1946.

  • Introduz modificações no projeto de Saturnino de Brito elaborado no início da década de 20 e autorizou as desapropriações necessárias às obras de retificação do rio; e desapropriações para execução da avenida Marginal do Tietê.

    Introduz modificações no projeto de Saturnino de Brito elaborado no início da década de 20 e autorizou as desapropriações necessárias às obras de retificação do rio; e desapropriações para execução da avenida Marginal do Tietê.
  • Criação da Comissão de Estudos de Transportes Coletivos, diante da não renovação do contrato sobre transportes com a Light&Power Company. Resulta em 1946 na Companhia metropolitana de transportes coletivos

    B.P.M.
  • Encaminha a conclusçao da construção da avenida 9 de julho, iniciada na gestão Fábio Prado, e das rampas de acesso à av. Paulista (Stiel, 1978, p.17) Foi também autor do projeto dos túneis sob a av. Paulista (Telles, 1939, pp.102-103)

    Encaminha a conclusçao da construção da avenida 9 de julho, iniciada na gestão Fábio Prado, e das rampas de acesso à av. Paulista (Stiel, 1978, p.17) Foi também autor do projeto dos túneis sob a av. Paulista (Telles, 1939, pp.102-103)
  • Inauguração da Galeria Prestes Maia

  • Presidente Getúlio Vargas, acompanhado do interventor Adhemar de Barros e do prefeito Prestes Maia, inauguravam o Estádio Municipal do Pacaembu.

  • Ainda na prefeitura, propõe alterações no Código de Obras do Município em relação às edificações da zona central

    Ainda na prefeitura, propõe alterações no Código de Obras do Município em relação às edificações da zona central
  • Introduz alterações no Código de Obras em relação ao perímetro e altura das edificações da zona central. Instituiu prêmios para os mais belos edifícios; executou obras de edifícios e áreas de ensino, cultura e lazer

    Ex: Centro Educacional do Ibirapuera
    Biblioteca e Parque infantil de Santo Amaro
  • Recebe elogios de Donat-Alfred Agache por sua obra de renovação urbana (Maia, 1961, pp.1-2)

    Recebe elogios de Donat-Alfred Agache por sua obra de renovação urbana (Maia, 1961, pp.1-2)
  • Palestra "Os melhoramentos de São Paulo" (Por ocasião da 3ª Semana Oficial de Engenheiros, da qual foi vice-presidente, publicado pela gráfica da prefeitura)

    Palestra "Os melhoramentos de São Paulo" (Por ocasião da 3ª Semana Oficial de Engenheiros, da qual foi vice-presidente, publicado pela gráfica da prefeitura)
    Publicado novamente em 1945
  • Inauguração da Biblioteca Mario de Andrade

  • Como Prefeito, foi vice-presidente da 3ª Semana Oficial de Engenheiros.

    B.P.M.
  • Participa do júri de idéias para a Cidade Universitária

  • Integrou o júri de ideias sobre a cidade universitária do Butantã

    Integrou o júri de ideias sobre a cidade universitária do Butantã
    (Engenharia, 1943, pp.xxix-xxx; Flynn, 1987, vol1,snp) in Os arquitetos da Poli
  • Deixa a prefeitura dois dias antes da queda do Estado Novo e retorna para o DOP

    Com a derrubada do Estado Novo em outubro de 1945, Abraão Ribeiro foi nomeado pelo interventor Federal em São Paulo, José Carlos de Macedo Soares, para substituir Francisco Prestes Maia na prefeitura da capital. CPDOC
  • Criação da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos

  • Plano para criação da cidade de Panorama-SP

    Plano para criação da cidade de Panorama-SP
    "Plano de Panorama"
  • Projeta a nova sede do Instituto de Engenharia, o Palácio Mauá, cuja construção foi concluída em 1952 (Maia, 1946, pp.185, 187, 189-196; Engenharia, 1948, pp.39-42)

    Projeta a nova sede do Instituto de Engenharia, o Palácio Mauá, cuja construção foi concluída em 1952 (Maia, 1946, pp.185, 187, 189-196; Engenharia, 1948, pp.39-42)
  • Elabora o Plano Regional para Santos. Elabora planos também para Campos do Jordão, Campinas e Recife.

    Elabora o Plano Regional para Santos. Elabora planos também para Campos do Jordão, Campinas e Recife.
    B.P.M.
  • Concorre ao governo do Estado de São Paulo pela União Democrática Nacional - UDN, ficando em último lugar,

    Tendo como adversários o Lucas Nogueira Garcez (eng. Poli,1936) pelo Partido Social Progressista, PSP, e pelo Partido Trabalhista Brasileiro, PTB, e Hugo Borghi, pelo Partido Trabalhista Nacional, PTN; classificou-se em último lugar nas eleições (Beloch e Abreu, 1984, v.3, p. 2047)
  • Plano para loteamento em Votuporanga "Loteamento cidade nova - Companhia Melhoramentos"

    Plano para loteamento em Votuporanga "Loteamento cidade nova - Companhia Melhoramentos"
    Planta cadastral é de 1952. Custo da planta: 150000cruzeiros. Serviço de levantamento topográfico e cadastral da cidade. Fonte: Janaína Cucato, 2015, mestrado
  • Contato com a prefeitura de Santo André para levantamento topográfico com fins de elaboração de plano diretor.

  • Lei de zoneamento de Londrina

    Lei de zoneamento de Londrina
  • Aposenta-se como engenheiro-diretor da Secretaria de Viação e Obras Públicas (Maia, 1961, p.1)

  • Integrou a Comissão da Reforma Urbanística de Buenos Aires (Argentina)

    Integrou a Comissão da Reforma Urbanística de Buenos Aires (Argentina)
    B.P.M.
  • Era Engenheiro-Diretor da Secretaria de Viação e Obras Públicas

    B.P.M.
  • Na gestão do prefeito Jânio Quadros, Maia participa como membro da Comissão do Plano do Município, uma retomada da Comissão Orientadora do Plano da Cidade, confrontando-se aí com Anhaia Mello.

    No projeto elaborado por essa comissão prevaleceram as ideias de Anhaia, mas esse projeto não foi posto em prática nos anos seguintes.
  • Participa como membro da Comissão Orientadora da Comissão do Plano do Município, uma retomada da Comissão Orientadora do Plano da Cidade. Confronta-se aí com Anhaia Mello, que defendia o zoneamento e a limitação do crescimento da cidade

    Enquanto Maia defendia mais obras de reurbanização e o ajuste do Código de Obras para garantir o adensamento urbano. FISCHER, p.163. No projeto elaborado por essa comissão prevaleceram as ideias de Anhaia Mello, mas este projeto não foi posto em prática nos anos seguintes.
  • Concorre novamente ao governo do Estado, com apoio da UDN e um esquema interpartidário articulado pelo próprio governador Lucas Garcez, formado pelo PSD, PR, PDC, PRP, e maioria do PTB, desta vez obtém o terceiro lugar.

    O PTB lançou oficialmente Vladimir de Toledo Piza, sem chances de vitória; o PSP indicou Adhemar de Barros; e o PTN e o PSB, indicou Jânio Quadros. A eleição ficou polarizada entre Adhemar e Jânio. Após a posse de Jânio, é eleito um novo prefeito, Juvenal Lino de Mattos (2/julho/1955-10/abril/1956). Fonte: Os arquitetos da Poli p.164
  • Participa da Comissão do Metropolitano criada por Lino de Mattos, encarregada de estudar um sistema metropolitano de transportes coletivos

    Maia preparava o projeto de Metrô e Anhaia combatia a ideia, que a seu ver favoreceria a concentração na área central.
  • Elabora na Comissão do Metropolitano o "Anteprojeto para um Sistema de Transporte Rápido para a Cidade de São Paulo", que chegou a entrar em concorrência para sua execução, mas esta foi anulada pela Câmara Municipal

    B.P.M.
    Chegou a ser exposta na Galeria Prestes Maia (?)
  • Concorre à prefeitura, indicado por Jânio Quadros, mas perde para Adhemar de Barros, que arquiva o anteprojeto do metropolitano e retoma o anteprojeto da Comissão Orientadora. Maia ficou em segundo lugar.

  • Era diretor da Companhia City (qual o período?)

  • Artigo "Mudancistas e Fiquistas", sobre a mudança da capital federal do Rio de Janeiro para o planalto central. (Maia, 1957, pp. 10-13)

    Artigo "Mudancistas e Fiquistas", sobre a mudança da capital federal do Rio de Janeiro para o planalto central. (Maia, 1957, pp. 10-13)
    "Após alinhavar os principais argumentos então sendo apresentados em favor da mudança, como o desenvolvimento econômico da região central do país ou a melhoria da máquina administrativa federal, entendeu-se em detalhe para demonstrar suas inconsistências." - Os arquitetos da Poli, p.164 (mais na p.165)
  • Projeto de cidade-nova Jardim Umuarama- GO

    Projeto de cidade-nova Jardim Umuarama- GO
  • Publica o artigo “Quo vadis, São Paulo?” (1959, p.46)

    Os arquitetos da Poli, p.166
  • Candidata-se novamente à prefeitura com o apoio do governador Carvalho Pinto (1910 - 1987) e é eleito.

    Nessa segunda gestão, 1961-1965, propõe novas medidas para sanear as finanças do município, deixando um superavit, retoma o projeto do metropolitano, criando um grupo para revisão dos projetos existentes, mas por falta de recursos não iniciou sua execução.
    B.P.M. - Inicia campanha para derrubar o dispositivo da Constituição que vedava às capitais o excesso de recebimento de arrecadação (discussão nas atas da ACSP)
  • Durante sua segunda gestão foi colaborador das revistas "Arquitetura e Construções e Investigações" e presidente da Companhia Brasileira de Cimento Portland.

  • QUANDO? Membro do Instituto de Engenharia, da Sociedade de Arquitetura de Lisboa

    QUANDO? Membro do Instituto de Engenharia, da Sociedade de Arquitetura de Lisboa
  • Se retira da Prefeitura por motivos de saúde VER QUEM É O VICE

    Para isso, aumentou a arrecadação e tentou conseguir modificações na apropriação, pelo governo federal, dos impostos municipais. Retomou o projeto do metropolitano com a criação de um grupo de trabalho para revisão dos projetos existentes. Não pôde reeditar seu desempenho anterior por falta de recursos. Empenhou-se a fundo na normalização das finanças do município, conseguindo aumentar a arrecadação e legar um superávit de cerca de quinhentos milhões de cruzeiros à prefeitura. CPDOC
  • Morte

    Data B.P.M.
  • ? Campos do Jordão, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Poços de Caldas, Curitiba (achar tese), Recife

    Cidades novas: cristo rei RJ,
  • Homenageado pela Câmara Municipal de São Paulo e seu nome foi dado ao salão nobre daquela instituição; vários logradouros da cidade e de municípios do entorno também levam seu nome.

  • Period: to

    Participa da comissão criada por Mario Whately, encarregada dos melhoramentos por ocasião do centenário da Independência, tais como abertura da Av. Independência (hoje D.Pedro I), a reforma do jardim do Museu Paulista,

    a construção do monumento do Centenário da Ind, a canalização do córrego do Ipiranga etc (Cavalcanti e Ayala,1973/1977, vol 3, p.43; in FICHER)
    Obras como a abertura da Av. Independência, reforma do Jardim do Museu Paulista, construção do Monumento do Centenário da Independência, canalização do córrego do Ipiranga, entre outras. B.P.M.
  • Period: to

    Durante a gestão de Moraes Pinto na prefeitura de SP, Maia e Ulhoa Cintra realizaram uma série de estudos para o sistema viário e sistema de transportes da cidade, propondo o alargamento de ruas e um anel viário em torno do centro,

    seguindo a orientação do trabalho anterior de Cintra de um perímetro de irradiação proposto em 1924. B.P.M.
  • Period: to

    Escreve 4 artigos com Ulhoa Cintra "Os grandes melhoramentos de São Paulo. Um problema actual" Boletim do Instituto de Engenharia

    1925: 10.1924-3
    1925: 3-6
    1925: 7-10
    1926: 3-6
  • Period: to

    Estava sendo elaborado, na Secretaria de Obras, um estudo para o sistema viário por Prestes Maia.

  • Period: to

    Funda com colegas o Instituto Paulista de Arquitetos, sendo seu vice-presidente no primeiro biênio 1930-1931

  • Period: to

    Prefeitura de Anhaia Mello

  • Period: to

    Gestão Fábio da Silva Prado

  • Period: to

    Conselheiro do CREA 6ª Região (CREA 6ªRegião, 1937, p.133, 1938, pp. 75-76)

    Os arquitetos da Poli, p.166
  • Period: to

    Assume a prefeitura indicado pelo interventor Adhemar Pereira de Barros

    B.P.M.
  • Period: to

    Integra a diretoria do Instituto de Engenharia

    B.P.M.
  • Period: to

    Segue na prefeitura, agora por indicação do interventor Fernando de Souza Costa

    B.P.M.
  • Period: to

    Retorna às atividades no DOP e continua com seu escritório, elaborando diversos planos para Santos, Campos do Jordão, Campinas, Recife, entre outras cidades.

  • Period: to

    Candidaturas mal-sucedidas, tanto ao governo do estado quanto à prefeitura da capital

  • Period: to

    Gestão Adhemar de Barros

  • Period: to

    Segundo mandato como prefeito

    Datas B.P.M.