Linha do tempo escolar.

Timeline created by Otávio Vieira
  • 270,000 BCE

    Química: Alquimia 1.

    Não procede a concepção da alquimia como práticas da Idade Média.
    O domínio do fogo foi um dos primeiros conhecimentos químicos do homem primitivo.
    Aproveitamento de recursos naturais para a cura de doenças.
    Lavoisier (1743-1794),em 1789, considerando pai da alquimia.
    A alquimia, não pode ser considerada a origem da química, pois restringia-se mais a concepções filosóficas da vida.
    Química teria exterminado a alquimia, tentando explicar algumas de sua práticas, tirando assim o caráter místico.
  • 270,000 BCE

    Química: Alquimia 2.

    A alquimia tinha como principais objetivos, a transformação de metais menos valiosos em ouro, achar a fonte da juventude e adquirir a pedra filosofal.
    As razões da não-comunicação aparecem nas hipóteses mencionadas a seguir, na busca de uma explicação para a ‘perda’ dos segredos das transmutações alquímicas.
    1) Dizimação por uma peste. peste negra na Europa.
    2) Forte influência da Igreja.
    3) Destruição pela própria descoberta.
    4) Poder econômico.
    5) Inveja e conhecimento ‘científico’.
  • 250,000 BCE

    Biologia: A condição da Terra e as condições primitivas 1.

    5 milhões de anos atrás ocorreu a formação do sistema solar através de uma nuvem fria.
    Não existia oxigênio na Terra pois sua existência iria explodir a Terra pois ela estava em chamas e o oxigênio estimula o fogo.
    Não existia a camada de ozônio.
    As moléculas de água foram trazidas pelos asteroides. Essas águas ajudaram a resfriar a Terra e a formar os primeiros ocêanos, onde surgiram as primeiras vidas.
    Terra contia muitos gazes como: Vapor de água, metano, gaz carbônico, hidrogênio, amônia etc
  • 250,000 BCE

    Biologia: A condição da Terra e as condições primitivas 2.

    Parte dos gazes que estavam na Terra foram sugados pelo sol e a outra parte foi levada pelos ventos solares.
    A atmosfera era densa pois não existia camada de ozônio e tinha muitos gazes concentrados em pouco espaço.
  • 60,000 BCE

    Inglês: Dialetos.

    O dialeto surge quando o homem passa a se comunicar verbalmente.
    Linguagem própria de determinadas comunidades, baseada em uma língua.
    Variedades linguísticas, que podem ser regionais ou sociais.
    Diferente de sotaque.
    Sotaque: interfere na forma de falar.
    Dialeto: sua própria, estrutura semântica, léxico, fonológica, morfológica, sintática.
    Dialeto diferente de língua. Dialeto diferente de Idioma.
    EX: dialeto mineiro, sabino.
  • 60,000 BCE

    Física: Origem.

    As pessoa começaram a descobrir as regularidades da natureza.
    Séc 4 e 3 a.C. a ciência começa a ser estudada na Grécia antiga.
    Espalhou pelo Mediterrâneo.
    Séc 5 d.C a ciência quase desaparece com a queda do império romano.
    Durante a Idade Média a ciência ficou extinta.
    Nesse mesmo período os chineses e os árabes estavam desenvolvendo pólvora e as matemática.
    A ciência voltou na Europa no séc 11, 12 e 13, nas invasões islâmicas.
    Ciência progride com o surgimento das universidades se 15 e 16.
  • 40,000 BCE

    Arte: Pré- história.

    Arte: Pré- história.
    Registros históricos da humanidade.
    Traços feitos nas paredes das cavernas.
    Época anterior à escrita.
    Já existiam noções de técnicas, habilidades de desenhos. Linguagem simbólica.
  • 5,000 BCE

    Arte: Mesopotâmia.

    Arquitetura realizada com materiais pouco resistente.
    Construção de templos.
    Esculturas feitas de pedras.
    Desenvolveram na área das terras férteis.
    Os escultores representavam o corpo humano de forma rígida, sem expressão de movimento e sem detalhes anatômicos.
    Na pintura, os artistas se utilizavam de cores claras e reproduziam caçadas, batalhas e cenas da vida dos reis e dos deuses.
  • 3,500 BCE

    Português: Origem da língua portuguesa.

    Não se sabe ao certo a língua falada na antiga Galícia, mas estudos indicam que o idioma era o Celta.
  • 3,500 BCE

    Geografia. Origem da cartografia.

    Um dos primeiros mapas é de origem babilônica.
    No seculo 15 a fabricação de mapas atingiu o apogeu, pois o comercia e as grandes navegações estavam em alta.
    No seculo 15 a Escola de Sagres a perfeiçoou os instrumentos de navegação e de localização.
    No seculo 18 todo os contornos dos continentes já eram conhecidos e registrados.
    Em 1860 era usada a fotografia tirada de cima de baloes para a produção de mapas.
  • 3,110 BCE

    Matemática: Números Maias

    Sistema vigesimal.
    O sistema é vigesimal porque possui como base a soma dos números de dedos das mãos e dos pés.
    Os algarismos são baseados em símbolos.
    Ponto= 1 unidade, Barra= 5 unidades e Concha= 0 unidades.
    Os maias foram os primeiros a utilizar a simbologia do zero no intuito de demonstrar um valor nulo.
    Vertical ou horizontal.
    A bolinha em cima da concha representa uma vintena, 1 X 20.
    Cada posição representa uma potencia: 1= 1x20 elevado a 0, 2= 1x20 elevado a 1, 3= 1x20 elevado a 2...
  • 3,100 BCE

    Matemática: Números babilônicos.

    Somente dois símbolos básicos, o ( Y para as unidade e o < para as dezenas eram combinados para formar os dígitos de 1 a 59 numa forma semelhante à da numeração romana.
    Escreviam os símbolos numéricos com caracteres cuneiformes, ou seja, em forma de cunha.
    Base Sexagesimal.
    Já tinham a ideia de zero, primeiramente eles deixavam um espaço vazio pra representar o zero, depois começaram a utilizar um ponto.
    Os 12 nós de uma mão e os 5 dedos da outra, assim 12x5=60, por isso da base sexagesimal.
  • 3,000 BCE

    Matemática: Números egípcios.

    Sistema de números, baseando em agrupamentos.
    Bastão= 1. Corda enrolada= 100. Calcanhar= 10. Flor de lótus= 1000. Dedo apontando= 10000. Peixe= 100000. Homem= 1000000.
    Os egípcios não se preocupavam com a ordem dos símbolos.
    A organização do sistema numérico fracionário dos egípcios. Cada fração era representado por símbolos.
  • 3,000 BCE

    Arte: Egito.

    Representação de figuras humanas.
    Desenho do corpo: O tronco de frente, cabeça, pernas e pés são colocados de perfil.
    Influências artísticas dos Gregos.
    Criação das pirâmides do Egito.
    A arte, no período era padronizada, pois seguia critérios religiosos; assim, não se fazia uso da criatividade ou da imaginação.
    Não era uma arte naturalista.
  • 2,000 BCE

    Inglês: Origem do Japonês.

    Não existe provas de como surgiu.
    A língua japonesa sofre alterações de outra línguas.
    Existem dois dialetos principais.
    Escrevem na vertical e ao contrário.
    Não conjuga o verbo.
    A palavra não se adequá com o sexo.
    Influência coreana e chinesa.
    3 alfabetos mais vários dialetos.
  • -900 BCE

    Filosofia: Origem do mito 1.

    Grécia antiga.
    Explicar o novo.
    O mito surge a partir da necessidade de explicação sobre a origem e a forma das coisas.
    O mito só existe quando ele cai no senso-comum.
    Ele vem em forma de narrativa.
    Tranquiliza os ânimos e responda às necessidades do coletivo.
    Três funções principais do mito:
    1 Explicar: O presente é explicado por ações que aconteceram no passado, cujos efeitos não foram apagados pelo tempo.
    2 Organizar: Legitimar e determinar um sistema complexo de permissões e proibições.
  • -900 BCE

    Filosofia: Origem do mito 2

    3 Compensar: Algo que aconteceu e não é mais possível de acontecer, oferecer uma visão estabilizada da Natureza e do meio que a cerca.
    O mito nos ajuda a se acomodar no meio em que vivemos.
    A repetição do sacrifício dá origem ao ritual, que é o mito tornado ação. Com a repetição do ritual, nasce a religião.
    O que é o mito? Histórias fantasísticas com deuses e semi deuses, contadas para a compreensão da realidade.
  • -800 BCE

    Filosofia: Mito, Homero e Hesíodo.

    Homero.
    Século IX ou VIII a.C.
    Obras principais, Ilíada e Odisseia.
    Poeta ambulante.
    Recitava suas histórias em praça pública. Hesíodo.
    Século VIII a.C.
    Obra principal, Teogonia que explica o fim do caos e o surgimento do cosmos.
  • -776 BCE

    Arte: Grécia.

    Valorização da figura humana.
    Figura realista.
    Esculturas feitas de cerâmica, marfim e cera.
    Ideais de beleza.
    Influência que a escultura egípcia tinha sobre eles.
    O escultor valorizava a simetria natural, assim como os egípcios e ele esculpia a figura de homens nus eretos, numa posição frontal.
    Não havia regras rígidas para sua produção.
  • -485 BCE

    Geografia: Criação da geografia.

    Pai da geografia: Heródoto.
    Antes de cristo.
    Fabricação de mapas, relatarão viagens, falava sobre o homem.
  • -420 BCE

    Química: Evolução atômica Sócrates.

    Na Grécia Antiga, século V a.C., o filósofo grego Leucipo e seu discípulo Demócrito imaginaram a matéria como sendo constituída por pequeníssimas partículas indivisíveis.
    Esta é uma palavra de origem grega que deriva de "a + thomos" , que significa "sem divisão".
    Concluirão que a matéria não poderia ser infinitamente divisível.
  • -400 BCE

    Biologia: Teoria da abiogênese/ geração espontânea 1.

    Uma das primeiras teorias propostas foi a da abiogênese, também conhecida como teoria da geração espontânea.
    A teoria da abiogênese afirmava que a vida nascia de matéria inanimada, ou seja, de um material sem vida.
    A= sem BIO= vida GÊNESE= origem começo.
    existência de um “princípio ativo” ou uma “força vital” dentro da matéria “morta”.
    A crença na geração espontânea durou até meados do século XIX, quando o francês Louis Pasteur conseguiu derrubar essa teoria.
  • -400 BCE

    Biologia: Teoria da abiogênese/ geração espontânea 2.

    Principais defensores:
    Aristóteles:
    Nascimento, 384 a.C.
    Morte, 322 a.C.
    Criador da teoria da abiogênese.
    Jean Baptiste Van Helmont:
    Nascimento, 12 de janeiro de 1580.
    Morte, 30 de dezembro de 1644.
    Criador das "receitas para gerar vida" como a do rato (Cesto de roupas sujas + trigo = ratos).
    John Needham:
    Nascimento, 10 de setembro de 1713.
    Morte, 30 de dezembro de 1781.
    Realizou a receita dos caldos nutritivos que não foi realizada corretamente, confirmando falsamente a teoria.
  • -380 BCE

    Filosofia: Mito da caverna.

    Escritor do mito da caverna:
    Filósofo grego Platão.
    Escrita em forma de dialogo para teatro.
    O mito da caverna, pretende exemplificar como nos podemos libertar da condição de escuridão que nos aprisiona através da luz da verdade.
    O mito da caverna é uma metáfora da condição humana perante o mundo, no que diz respeito à importância do conhecimento filosófico e à educação como forma de superação da ignorância.
    Busca as respostas não no acaso, mas na causalidade.
  • -380 BCE

    Filosofia: Mito da caverna 2.

    O processo para a obtenção do conhecimento, abrange 2 domínios: o domínio das coisas sensíveis e o domínio das ideias. Para o Platão, a realidade está no mundo das ideias - um mundo real e verdadeiro - e a maioria da humanidade vive na condição da ignorância, no mundo das coisas sensíveis - este mundo -, no grau da apreensão de imagens, as quais são mutáveis, não são perfeitas como as coisas no mundo das ideias e, por isso, não são objetos suficientemente bons para gerar conhecimento perfeitos.
  • -350 BCE

    Química: Teoria dos quatros elementos 1.

    Terra, fogo, ar e água.
    A curiosidade dos filósofos gregos sobre a natureza levou a refletir e debater a respeito da constituição da matéria.
    Por volta de 350 a.C., outro filósofo grego muito conhecido, Aristóteles, retomou a ideia e acrescentou que cada um desses elementos tinha um devido lugar e procurava permanecer nele ou encontrá-lo.
    A terra estava no centro dos quatro elementos, em seguida vinha a água, acima vinha o ar e, por último, acima de todos, o fogo.
  • -350 BCE

    Química: Teoria dos quatros elementos 2.

    Para os grego, o "quinto elemento" era o elemento "perfeito" e que existiria no plano cósmico ou não-terrestre, formador da lua, do sol, do céu e das estrelas.
    Hoje sabemos que essa teoria não procede.
    As características da pedra indicam que ela seria (seguindo essa teoria) constituída principalmente de terra.
    Algumas qualidades das substâncias as associavam aos quatro elementos.
    Ex: Água, fria e úmida.
    Um elemento poderia se transformar em outro com a remoção ou a adição dessas qualidades.
  • -323 BCE

    Filosofia: Helenista.

    No período da filosofia clássica, os filósofos estavam pregando nas ágoras quando de repente, o império macedônico invadiu a Grécia e dominou tudo. Foi ai que a filosofia clássica "morreu" e nasceu a filosofia helenista.
    Filosofia helenista:
    Polis deixa de ser o centro de tudo.
    O homem não tinha como compartilhar suas ideias.
    Desenvolveu a matemática, física e astrologia.
    Composta por correntes.
    EPICURISTA. Epicuro 324 a.C. a 271 a.C.
    Não somente para nobres.
    Prazeres duradouros e imediatos.
  • -323 BCE

    Filosofia: Helenista 2.

    Buscavam a paz e harmonia.
    Escolas ficavam nos jardins, longe do centro
    Ética, saber escolher entre os prazeres carnais e prazeres duradouros.
    Principal bem a vida.
    ESTOICISMO. Zenão de Cítio. 336 a.C. a 263 a.C.
    Escolas ficavam nos portais da cidade, longe do centro.
    Ser indiferente as dores e alegrias.
    Atingir a felicidade com praticas virtuosas.
    precisa de sabedoria.
    Cosmo politismo, o homem é do mundo.
    CEPTICISMO. Pirro de Élida. 365 a.C. a 275 a.C.
    Mente humana não atingi nenhuma certeza.
  • -323 BCE

    Filosofia: Helenismo 3.

    O homem deve sere discreto e incrédulo.
    CINISMO. Diógenes 404 a.C. a 323 a.C.
    Kynos que vem do grego e significa cão.
    Dizia que os homens praticavam a vida semelhante a vida dos cães, pois muitas vezes dormiam em barris, onde alguns homens também dormiam.
    O homem deveria viver como um cão, não seguiam leis, mendigavam, não usavam roupas etc...
    Indiferença as autoridades.
  • -206 BCE

    Inglês: Origem do Chines.

    Vem de origem sino-tibetano.
    Dividido em chines antigo e médio.
    Antigo: de 206 a.C. até 9 d.C., caracterizado por uma língua padrão.
    Médio: de 9 d.C. até os dias atuais, caracterizado pela difusão em vários dialetos.
    Principal dialeto falado é o Mandarim, que nasceu na mistura de língua portuguesa e chinesa, no séc 17.
    O sistema de escrita chinês é logográfico.
  • -100 BCE

    Geografia: Império romano e a geografia.

    Utilização de mapa para estrategia de guerra.
    Estrabão: diz que a geografia estava voltado para a necessidade do Estado.
  • -100 BCE

    Arte: Roma.

    Influência da arte grega.
    Maior expressão na arquitetura.
    Arquitetura: Basílicas, templos, anfiteatros, edifícios administrativos.
    Escultura como forma de perpetuar a história.
    Os pintores romanos usaram, ao mesmo tempo que o realismo, a imaginação, dando origem à obras que ocupavam grandes espaços, enriquecendo mais a arquitetura.
    pesar de apreciarem a arte, eles não representavam o ideal de beleza, mas a cópia fiel das pessoas, buscando retratar traços particulares.
  • -100 BCE

    Inglês: Origem do francês.

    Língua fala antes do seculo I a.C era a celta.
    Romanos invadem (Séc I a.C) a frança impondo o latim vulgar.
    Séc VII, invasão dos povos bárbaros de origem germânica adotando as palavras gregas.
    Durante a alta Idade Média, começaram a evoluir línguas diferentes com a langue d'oïl.
    Os dialetos da langue d'oïl receberam o nome das províncias setentrionais nas quais eram falados: frâncico, Île-de-France, entre outros.
    O francês moderno é a forma derivada diretamente do dialeto da Île-de-France.
  • -100 BCE

    Inglês. Origem do francês.

    No início do século XVII, François de Malherbe triunfou ao definir uma norma exata para usar palavras francesas em suas obras poéticas e críticas. Um passo decisivo para a reforma foi a compilação do ‘Dicionário’ patrocinado pelo cardeal Richelieu no século XVII, na fundação da Académie Française (1635). Durante o reinado de Luís XIV, o idioma alcançou o ponto culminante de sua história, convertendo-se em língua internacional da Europa.
  • -50 BCE

    Matemática: Números romanos.

    I= 1, V= 5, X= 10, L= 50, C= 100, D= 500 M= 1000.
    O sistema de numeração romana (algarismos romanos ou números romanos) desenvolveu-se na Roma Antiga, e foi utilizado em todo o Império Romano. É composto por sete letras maiúsculas do alfabeto latino.
    Números romanos são utilizados até hoje (seculo, relógio...).
    Só pode repetir 3 vezes as letras.
    A subtração no Sistema de Numeração Romano, coloca primeiro um símbolo que representa um valor menor seguido por outro símbolo que de maior valor.
  • 200

    Português: Romanos.

    Os romanos invadem a península ibérica e impõe o latim vulgar aos povos conquistados.
    Da mistura entre essa língua com e a céltica surge o galego português.
  • 200

    Inglês: Origem do espanhol 1.

    Antes do século I a língua que se falava na península ibérica era a do reino da Castilla.
    No ano 200 os soldados romanos invadiram o reino da Castilla, impondo o latim vulgar.
    A mistura da língua do reino com o latim vulgar resulto no castelhano.
    No ano 400 a península é invadida por germânicos.
    No ano 711 a península é invadida por muçulmanos e árabes que deixa palavras de herança.
    No final da Idade Média o espanhol se espalhou pela Europa.
  • 200

    Inglês. Origem do espanhol 2.

    No seculo XV a língua espanhola se espalhou pela América.
    Durante os seculos XVI e XVII a impressa contribuiu de um modo decisivo a uniformização da gráfica, léxica e sintáctica da norma culta do espanhol.
    1713 fundação da Real Academia de Espanhol para a unificação da língua espanhola.
    A partir do seculo XIX foi obrigatório a imposição da língua espanhola.
    No seculo XX o rádio e a TV ajudaram a propagar a língua oficial.
    Com a emigração para a cidade varias palavras e tradições foram perdidas.
  • 300

    Arte: Cristã primitiva.

    Perseguição Cristã.
    As catacumbas passaram a receber pinturas Cristã.
    Símbolo do sacrifício de Cristo.
    Passagens bíblicas.
    Surgimento dos primeiros templos.
    Homenagem à confissão cristã.
  • 400

    Geografia: Queda do império romano.

    com a queda do império romano a geografia continuou a se desenvolver junto as outras matérias.
  • 400

    Português: Bárbaros.

    A península ibérica é invadida por povos germânicos, eslavos e iranianos. A influência na estrutura da língua é pequena, mas algumas palavras ficam de herança.
  • 400

    Arte: Bizantina 1.

    Império romano se divide em dois:
    Lado oriental e ocidental.
    Lado oriental arte bizantina.
    Frontalidade nas pinturas.
    Lugar de cada personagem.
    terminou no séc. 15.
    Constantino proíbe a caça aos cristãos.
    Se espalhou por outras regiões.
    Mosaico de culturas (Ásia, síria, romana, europeia).
    Não podia glorificar os homens.
    Não havia muitas pinturas.
    Gestos, mãos, posses, roupas definidas pelos padres.
  • 400

    Arte: Bizantina 2.

    Arquitetura:
    Mármore em abundancia, decoração fauna e flora, torres de tijolos e pedras, Arcadas sobre colunas, arcos romanos.
    Trabalho em mosaico:
    Ícones= imagens.
    Luxuosos, extravagantes, esplendor.
    Pintura:
    Figura sacras, figuras alongadas, sem relevo, sem paisagem no fundo, o dourado prevalece.
    Escultura:
    Não se desenvolve pois não pode valorizar a figura do homem.
  • 436

    Geografia: Idade média.

    Com o inicio da Idade Média, a geografia parou de ser estudada com frequência, pois a igreja católica tinha restrições contra fontes de conhecimento humanos.
  • 450

    Espanhol: Romanos.

    Os romanos invadem a península ibérica e impõe o latim vulgar aos povos conquistados.
    Da mistura entre essa língua com a céltica e os dialetos locais, surge o "Castellano", no período da idade media.
  • 450

    Inglês: Origem do inglês.

    A evolução do inglês é dividida em três fazes:
    Velho, do século 5 ao seculo 11. Falado pelos europeus saxões.
    Médio, do século 11 ao seculo 16. Imposição do rei. Junção do inglês com o francês
    Moderno, do século 16 aos dias atuais. Inglês mais dialetos ingleses.
    Influencia, Celta, latim e francês.
  • 500

    Arte: Bizantina.

    Representação de figuras sagradas e oficiais.
    Respeito e veneração a figura representada.
    Técnica do mosaico.
    Decoração das igrejas.
  • Jun 30, 711

    Português: Muçulmanos.

    Partem do norte da Africa para ocupar a península ibérica.
    Só não consegue dominar a Galácia.
    no restante da região surgem os dialetos moçárabes.
  • Jun 30, 1000

    Inglês: Origem do Alemão.

    Os dialetos que deram origem a a língua alemã, origem no período da idade média.
    Os textos medievais foram escritos, principalmente, em alemão superior, forma que se difundiu e tornou-se a base do alemão comum contemporâneo.
    Alto Alemão: Até 1100, falava-se o antigo alto alemão, conjunto de dialetos sem normas literárias. Lutero traduzia a bíblia.
    Baixo Alemão: Inclui o baixo frâncico.
    1901, foi adotado um sistema uniforme de ortografia.
    300 anos sem uma língua padrão.
    1 dicionário irmãos grimm
  • Mar 30, 1050

    Português: Norte e sul.

    Povos do norte expulsão o do sul.
    O galego- português é incorporado pelos que falam os dialetos moçárabes, se expandindo.
  • Jun 30, 1100

    Arte: Românica 1.

    Termino no séc 13
    Presente na Europa.
    Lado oriental.
    Ocorrência das cruzadas.
    Peregrinações ajudaram a espalhar a arte.
    Cada região tinha suas características artísticas.
    Pinturas:
    Afresco arte representada em murais.
    As imagens representavam as passagens da bíblia.
    Se baseava na arte romana.
  • Jun 30, 1100

    Arte: Românica 2.

    Iluminuras:
    Desenhos escritos bem detalhados feitos por monges, muitas cores.
    Escultura:
    Volta na arte românica o objetivo didático, ensinar as pessoas analfabetas.
    Estavam presentes fora da igreja ( ao ar livre ).
    Arquitetura:
    Abobadas de berço e as de arestas.
    Igrejas, fortalezas de deus, paredes grossas, com poucas janelas, pilares maciços, detalhes nos pilares.
    Presa a beleza estética, qualidade das construções.
  • Jun 30, 1200

    Arte: Gótica 1.

    Terminou no séc. 15.
    Arquitetura:
    Gótica mais leve, mais vãos, três entradas nas frentes.
    Igrejas catedrais, evolução da arquitetura românica, paredes finas, janelas decoradas com passagens bíblicas.
    Arte gótica, pois, se dava nome aos bárbaros.
    Pinturas:
    Expressar emoções, cores claras, retratar sentimentos humanos, leveza e pureza.
    Giotto di Bondone. Jan van Eyck.
    Não ficavam somente nas igrejas mas também nos palácios.
  • Jun 30, 1200

    Arte: Gótica 2.

    Períodos góticos:
    1 gótico primitivo, caracterizado pela arquitetura, características românicas
    2 góticos, popularização das artes, pinturas frias.
    3 góticos, pinturas mais claras, vivas, os arcos se expandem, muitas decorações
    4 góticos, flamejante, janelas grandes, coloridas, janelas, portas decoradas.
    Os reis eram enterrados nas igrejas.
    Semelhanças da arte gótica e românica.
  • Jun 30, 1260

    Português: Fronteiras e fala.

    Portugal tem quase todas as fronteiras definidas e o galego- português já atinge praticamente o pais todo e é oficializado com o nome de português.
  • Mar 29, 1450

    Geografia: Fim da Idade média, inicio das grandes navegações.

    Com o fim da Idade Média, a geografia voltou a ser estudada com frequência, na construção de mapas e descrições dos povos, terras, climas etc.
  • Jun 20, 1469

    Filosofia: Filósofos modernos.

     Nicolau Maquiavel, 1469 a 1527 anos d.C., Florença, Itália, musico, poeta, filosofo, diplomata, politico, o fim justifica os meios, obra principal “ O príncipe”, criticas as melhores forma de governo e as piores forma de governo e ensina a como governar, criação de novas formas de governo.
  • Jun 30, 1527

    Português: Classicismo.

    O Classicismo foi um movimento cultural ocorrido no Renascimento (séculos XV e XVI).
    Europa saia da Idade Média para entrar no renascimento.
    a invenção da imprensa, que possibilitou a divulgação dos autores gregos e latinos.
    Esse período foi marcado pelas grandes navegações, o desenvolvimento da matemática, o estudo das línguas e o surgimento das primeiras gramáticas.
    Substituição do teocentrismo para o antropocentrismo.
  • Jun 30, 1569

    Geografia. Mercator.

    No planisfério as terras da Europa são valorizadas, enquanto as terras da África e América do Sul tem dimensões subestimadas.
    O mapa representa a ideologia eurocentrista.
    Confeccionado no período das grandes navegações.
    Boa reprodução das formas.
    Distorce as ares próximas aos polos.
  • Química: Teoria do flogístico.

    Os corpos combustíveis possuiriam uma matéria chamada flogisto.
    Desenvolvida pelo químico e médico alemão Georg Ernst Stahl.
    Todas as substâncias eram compostas de três tipos de terras. Uma delas era a terra pinguis (literalmente, “terra gorda”), que dava à substância qualidades oleosas e a propriedade de ser combustível.
    Está teoria permaneceu satisfatória por muito tempo porque explicava vários dos maiores mistérios das transformações dos materiais.
    Sem ar a combustão não ocorre.
  • Química: Teoria do flogistico 2.

    Os metais aumentam sua massa depois da queima, de sua corrosão ou enferrujamento, isto é, sua oxidação.
    O flogístico era repelido pela terra, assim quanto mais flogístico um material possuísse, mais leve ele seria. Ao sofrer combustão o metal ficava mais pesado.
    A queda desta teoria foi o fato de que no século XVIII, Lavoisier descobrir, por meio de inúmeras experiências, a importância de um elemento químico no processo da combustão. Este elemento era o oxigênio (O).
  • Biologia: Experimento de Redi.

    Nascimento: 18 de fevereiro de 1626.
    Morte: 1 de março de 1697 (71 anos).
    Professor, Biólogo.
    Origem Italiano.
    Um ser vivo só se origina a partir de outro ser vivo de mesma espécie.
    Quebra da teoria da abiogênese.
    3 potes estere lisados com carne dentro.
    1 aberto que deu origem a larvas e ovos das moscas.
    2 tampado com uma gaze mostrando rastros de seres vivos.
    3 totalmente tampado sem vestígios de vida.
  • Filosofia: Moderna 1.

    Do século XVII ao XIX.
    Contexto histórico: reforma protestante, disputa de território, grandes navegações, iluminismo, renascimento, revolução industrial.
    Filosofia deixa de ser matriz, e ocorre a divisão da filosofia nas ciências.
    A filosofia moderna começa meio perturbada, onde os sábios viviam um momento de duvidas e incertezas. Para vencer este pessimismo teórico propuseram 3 mudanças teóricas:
  • Filosofia: Moderna 2.

  • Filosofia: Moderna 3.

    Empirismo: A real fonte do conhecimento humano são as experiências sensíveis, os nossos sentidos. Aristóteles tem um pensamento semelhante a este.
    Racionalismo: A real fonte do conhecimento humano é a razão, pois está não é passível de erros. Platão influencia nesse pensamento.
  • Filosofia: Filósofos modernos 2.

     René Descartes, 1596 a 1650 anos d.C., França, filosofo, físico, matemático, vinha de família rica, os sentidos nos enganam, para se fazer ciência não podemos apenas nos basear nos sentidos, pois eles nos enganam, dualismo corpo e alma, não aceita nada antes de questionar, insistência.
  • Filosofia: Filósofos modernos 3.

     Immanuel Kant, 1724 a 1804 anos d.C., Alemanha, filosofo, crítica a ética e a ciências, criador do imperativo categórico e hipotético, relaciona o empirismo com o racionalismo dando origem ao criticismo.
  • Biologia: Experimento de Spallazani.

    Lazzaro Spallazani combateu a teoria da abiogênese.
    Needhan apoiava a teoria da abiogênese pois após realizar o teste dos caldos nutritivos (que não foi bem realizado, pois a fervura não matou os micro-organismos e ele não vedou bem os frascos) apareceu micro-organismos.
    Spallazani realizou o teste dos caldo nutritivos novamente só que da maneira correta e mais eficiente, comprovando a teoria da biogênese.
    Mas essa experiencia não foi suficiente para combater a abiogênese.
  • Sociologia: Positivismo 1

    Sociologia: Positivismo 1
    Pai do positivismo Auguste Comte.
    Nascimento, 19 de janeiro de 1798 Montpellier, França.
    Morte, 5 de setembro de 1857 (59 anos) Paris, França.
    Comte separou de sua esposa Caroline Massin, em 1842.
    Contexto histórico, revolução industrial, sofrimento, sujeira, exploração.
    Positivismo: reorganizar o conhecimento humano, segundo os critérios da ciência exata e biológica.
    Corrente de estudo da área de exatas.
    Positivismo não é compatível com a democracia do governo.
  • Sociologia: Positivismo 2

    Sociologia: Positivismo 2
    "Ordem e progresso". Influência no Brasil.
    Governo forte totalitário, ele é a favor do totalitarismo, da monarquia.
    A sociedade atinge o ponto positivo quando está havendo ordem e progresso.
    física social.
    Sociedade passa por 3 estágios: teológico, metafisico e positivo.
    O positivismo compara a sociedade a um organismo
    biológico, no qual nenhuma parte tem existência independente.
    No estagio positivo, não existe a individualidade, só a solidariedade e altruísmo.
  • Geografia: Geografia moderna.

    A geografia passa a ser ciência, perdendo seu caráter descritivo.
  • História: Darwinismo.

    Cientista: Charles Robert Darwin.
    Séc: XIX.
    Todos os seres vivos tiveram sua evolução a partir de um ancestral comum.
    Evolução realizada através do processo de seleção natural.
    Os seres mais adaptáveis sobrevivem.
    Forte impacto na sociedade cristã.
  • Biologia: Experimento de Louis Pasteur.

    Foi um cientista Frances.
    Nascimento, 27 de dezembro de 1828, Dole, Franche-Comté.
    Morte, 28 de setembro de 1895, Marnes-la-Coquette, França.
    Um ser vivo só nasce de outro ser da mesma espécie.
    Pasteur utilizava o método de Pasteurização para matar todos os microrganismos presentes.
    Esse método consistia em aquecer e resfriar para matar.
    Hoje em dia esse método ainda é presente.
  • Biologia: Teoria da evolução molecular/ Teoria da evolução química.

    É a mais aceita pela comunidade científica.
    Foi proposta pelo biólogo inglês Tomas Huxley.
    Tomas Huxley:
    Nascimento, 4 de maio de 1825.
    Morte, 29 de junho de 1895.
    A vida é resultado de uma evolução a partir de compostos inorgânicos, que se combinaram originando moléculas orgânicas simples e depois moléculas orgânicas mais complexas até o surgimento de estruturas com capacidade de se autoduplicar e apresentar atividades metabólicas.
    Essa teoria foi retomada mais tarde.
  • Geografia: Determinismo geográfico.

    Nasceu na Escola Alemã, na Alemanha.
    Influenciado pelo Positivismo e pelo Darwinismo.
    Pai do determinismo geográfico, Friedrich Ratzel.
    A natureza determina a sociedade.
    O desenvolvimento de uma sociedade depende das condições naturais que o espaço ocupado oferece.
    A geografia foi usada pela Alemanha para a expansão de território, pois eles precisavam de território para seu "espaço vital".
  • Filosofia: Contemporânea contexto histórico.

    Período marcado pela consolidação do capitalismo gerado pela Revolução Industrial.
    Início no ano de 1871, com a Belle Époque
    É durante esse período que ocorre a transição da filosofia moderna para contemporânea.
    As máquinas substituem a força humana e a ideia de progresso é disseminada em todas as sociedades do mundo. Logo depois há uma reflexão da consolidação desses processos e as convicções ancoradas no progresso tecnocientífico.
    Era contemporânea = Era de incertezas.
  • Filosofia: Contemporânea contexto histórico 2.

    Crise do homem contemporâneo: baseada em acontecimentos como a revolução Copernicana, Darwiniana, Freudiana e ainda teoria da relatividade de Einstein.
    Alguns debates sobre a crise: os direitos humanos e a globalização; os direitos das mulheres; o racismo e a xenofobia; a paz mundial e o diálogo inter-religioso; a industrialização e o impacto ambiental; a manipulação genética e a ciência, o poder e os riscos.
  • Filosofia: Contemporânea escola de Frankfurt.

    Início no século XX
    Foi formada por pensadores do “Instituto para Pesquisa Social da Universidade de Frankfurt”.
    Ela é pautada nas idéias Marxistas e Freudianas.
    Pensadores que merecem destaque: Theodor Adorno, Max Horkheimer, Walter Benjamin e Jurgen Habermas.
  • Filosofia: Contemporânea Analítica.

    Vai dominar os países de língua oficial inglês. A filosofia analítica tinha como base a analise e o cientificismo. Utilizar a filosofia independente de fatores históricos, tornando-a universal.
    Correntes:
    Epistemologia; Neopositivismo; Neo pragmatismo, Filosofia da linguagem comum.
  • Filosofia: Contemporânea Continental e Analítica.

    É comum os filósofos ditos continentais acusarem a filosofia analítica de retomar ingenuamente uma perspectiva cientificista e formalista, sem interrogar seus pressupostos. Por sua vez, os filósofos analíticos acusam os continentais de se preocuparem mais com a exegese de autoridades filosóficas do que com a clarificação dos problemas filosóficos. 
  • Filosofia: Contemporânea Mudanças cultura 19.

    No século XIX, eles denominam que há somente uma única cultura.
    Romantismo, o mais importante de uma cultura não se encontraria em seu futuro, isto é, nas tradições, no folclore nacional.
    A Cultura como o modo próprio e específico da existência dos seres humanos. Uma única grande Cultura em desenvolvimento, da qual as diferentes culturas seriam fases ou etapas.
    A Cultura se manifesta como vida social, como criação das obras de pensamento e de arte, como vida religiosa e vida política.
  • Filosofia: Contemporânea Mudanças cultura 20.

    No século XX, a Filosofia, afirmando que a História é descontínua, também afirma que não há a Cultura, mas culturas diferentes, e que a pluralidade de culturas e as diferenças entre elas não se devem à nação, pois a ideia de nação é uma criação cultural e não a causa das diferenças culturais.
    Contra a filosofia romântica, a Filosofia do século XX nega que a nacionalidade seja causa das culturas.
  • Filosofia: Contemporânea Mudanças o fim 19 e 20.

    No séc XIX, o otimismo positivista ou cientificista levou a Filosofia a supor que, no futuro, só haveria ciências, e que todos os conhecimentos e todas as explicações seriam dados por elas. Assim, a própria Filosofia poderia desaparecer.
    No séc XX, a Filosofia passou a mostrar que as ciências não possuem princípios totalmente certos, seguros e rigorosos para as investigações, que os resultados podem ser duvidosos e precários, e que, frequentemente, uma ciência desconhece até onde pode ir.
  • Biologia: Hipótese de Panspermia.

    Hermann Helmholtz.
    Nascimento, 31 de agosto de 1821.
    Morte, 8 de setembro de 1894.
    A panspermia, é uma teoria que busca explicar a origem da vida. Segundo ela, nosso planeta foi povoado por seres vivos ou elementos precursores da vida oriundos de outros planetas; que se propagaram por meteoritos e poeira cósmica até a Terra.
    Essa teoria ganhou força com a descoberta da presença de substâncias orgânicas oriundas de outros locais do espaço.
    Meteorito na Antártica com um fóssil de bactéria.
  • Geografia: Possibilismo geográfico.

    Contra o determinismo geográfico.
    Pai do possibilismo geográfico, Paul Vidal de La Blache.
    Criação foi na Escola Francesa, na França.
    Há uma diferença na relação entre da natureza e a sociedade.
    Essa teoria diz que a sociedade tem a possibilidade de dominar a natureza, modificando-a.
    Tem como objetivo o estudo da região.
    Foi dividida em geografia física e humana.
    Essa teoria tinha que suprir a necessidade francesa de expandir o território e proibir a Alemanha.
  • Biologia: Teoria de Oparin e Haldane 1.

    Haldane.
    Nascimento, 5 de novembro de 1892.
    Morte, 1 de dezembro de 1964.
    Oparin.
    Nascimento, 2 de março de 1894.
    Morte, 21 de abril de 1980.
    Bioquímico russo, que retomou os estudos sobre a criação da Terra.
    Se basearam na teoria da evolução molecular.
    A Terra a 4,5 milhões de anos estava muito quente, as chuvas que caiam eram rapidamente evaporadas.
    A atmosfera primitiva era composta por átomos de carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, que se ligaram formando outros compostos.
  • Biologia: Teoria de Oparin e Haldane 2.

    Como naquela época caia muita chuva, havia as descargas elétricas, que contribuiriam para as ligações químicas mais complexas, o sol também ajudou.
    Quando a Terra resfriou, as chuvas começaram a se aglomerar, formando os oceanos. O calor das rochas ajudou na ligação química no oceano. O mar virou uma sopa orgânica.
    As substancias começaram a se ligar formando moléculas que começaram a se ligar formando coacervados que evoluiriam e deram origem aos seres mais primitivos dos oceanos.
  • Geografia: Geografia crítica.

    Essa geografia crítica questionou as teorias alemãs e francesas de acordo com as necessidades da época.
    O mundo passava por grandes mudanças.
    Renovação da geografia.
    Yves Lacoste faz crítica do mal uso da geografia.
    Ruptura com a geografia tradicional.
    Essa geografia é atuante, se preocupa e transformar o mundo.
    A geografia enquanto ciência deve se preocupar com a relação entre o homem, a natureza e o trabalho.
    O objeto de estudo da geografia é o espaço.
  • Geografia. Peters.

    No planisfério as áreas dos países aparecem em escalas iguais.
    Formas distorcias alongando os continentes.
    Confeccionado na época da gurra fria.
    Distorce as formas alongando no sentido norte sul.
    Preserva a área.
  • Sociologia: Personagens principais.

    marx, comte, weber durkheim,
    sociologia, desnaturalizar a ideia de que a exploraçao é bom.
    capitalismo seculo 18
    capitalismo revoluçao industrial
    o capitalismo se sustenta atraves da desigualdade social.
    sociologia surge para fazer uma critica do capitaismo.
    sociologia seculo 19.
  • Filosofia: Contemporânea Continental.

    Rejeição ao cientificismo (afirma que a melhor maneira de investigar como as coisas são, é pela adoção do método científico). Acusava os analíticos a seguirem tendências científicas anteriores. Oposta a filosofia analítica. Presente nos países europeus, com exceção da Inglaterra e E.U.A.
    Correntes:
    Idealismo Alemão; Fenomenologia; Existencialismo; Hermenêutica; Estruturalismo; Semiótica; Desconstrução; Psicanálise; Escola de Frankfurt.
    .
  • Geografia: Tipos de mapas.

    CARTA. Locais pequenos, alta precisão, cidade ou região, detalhista.
    MAPA BÁSICO. Levantamento preciso do local a ser registrado, poucos detalhes, escala pequena, representar o mundo ou parte dele, delimitado.
    MAPA TEMÁTICO. Usado em outras áreas.
    MAPA TEMÁTICO ANAMORFOSE. Superfícies reais sofrem distorções, de acordo com a representação.
    MAPA TEMÁTICO CARTOGRAMA. Interesse no conteúdo, nas informações sobre a população, agricultura solo...
  • Geografia: Modelos de projeção.

    PROJEÇÃO CILÍNDRICA. Projeção de paralelos e meridiano na forma de cilindro. Paralelos e meridianos são linhas retas que se cruzam a 90°.
    PROJEÇÃO CÔNICA. Projeção sobre um cone. Latitude. Meridianos linhas retas e covergentes e paralelos círculos concêntricos.
    PROJEÇÃO AZIMUTAL. Superfície terrestre em um plano. Regiões polares. Meridianos linhas retas divergentes paralelos círculos concêntricos.
    PROJEÇÃO DE ROBINSON. Meridianos linhas curvas, paralelos linhas retas. representar o globo.
  • Period:
    270,000 BCE
    to

    História: Pré história.

    A Pré-História é o período que compreende desde o surgimento do homem até o aparecimento da escrita, por volta de 4000 a.C.
    Feitas nas paredes das cavernas. O homem dessa época pintava figuras humanas em grupo com cenas de caça ou guerra. Pintavam, também, animais como onça, paca, peixes e insetos.
    Esse longo período é geralmente dividido em três fases: o Paleolítico, ou Idade da Pedra Lascada, Neolítico, ou Idade da Pedra Polida e a Idade dos Metais.
  • Period:
    270,000 BCE
    to
    10,000 BCE

    História: Período Paleolítico/ Idade da Pedra Lascada.

    Características
    É o período mais longo de todos.
    O homem era coletor de alimentos e caçador.
    Surgimento do fogo.
    Era nômade (não tinha casa e mudava sempre de lugar).
    Morava em cavernas (homem das cavernas) para se proteger do frio da chuva e dos animais.
    Pequenos grupos de hominídeos.
    Ornamentação no fim do período.
    No fim do Paleolítico (por volta de 10000 a.C.), as condições de vida começaram a mudar.
    Busca de novas terras que lhe pudessem dar sustento.
    Nas pinturas não aparece humanos.
  • Period:
    100,000 BCE
    to
    100,000 BCE

    História: Australopithecus

    Crânio: 700 cm3.
    Local: África.
    Características: Postura semi- ereta, uso de ferramentas.
    Período: 4.200.000 anos a.C a 1.400.000 anos a.C.
  • Period:
    100,000 BCE
    to

    História: Homo sapiens sapiens.

    Crânio: 1.300 a 1.600 cm3.
    Local: Todo mundo.
    Características: Todas atuais.
    Períodos: 100.000 anos a.C a Dias atuais.
  • Period:
    90,000 BCE
    to
    90,000 BCE

    História: Homo habilis.

    Crânio: 750 cm3.
    Local: África.
    Características: Fabricação de artefatos rudimentares.
    Período: 2.000.000 anos a.C a 1.500.000 anos a.C.
  • Period:
    80,000 BCE
    to
    80,000 BCE

    História: Homo erectus.

    Crânio: 900 cm3.
    Local: África, Ásia e Europa.
    Características: Coluna ereta, domínio do fogo e caçador habilidoso.
    Período: 1.500.000 anos a.C a 300.000 anos a.C.
  • Period:
    70,000 BCE
    to
    40,000 BCE

    História: Homo sapiens neandertalensis.

    Crânio: 1.300 a 1.600 cm3.
    Local: África, Ásia e Europa.
    Características: Fala, religiosidade e cerimonias fúnebres.
    Período: 200.000 anos a.C a 40.000 anos a.C.
  • Period:
    10,000 BCE
    to

    História: Período Neolítico/ Idade da Pedra Polida.

    Pintura, homens.
    Desenvolvimento da agricultura (o homem não abandonou por completo a caça e a pesca).
    Passou a cultivar trigo, centeio, cevada e outros produtos.
    Domesticou o boi, o cavalo, a ovelha e outros animais.
    Suas roupas eram feitas fibras vegetais (linho e algodão).
    Usou o barro para fazer utensílios domésticos.
    Construiu casas sobre estacas (palafitas).
    Utilizou o osso, a madeira e a pedra polida na fabricação de seus instrumentos e armas.
    Desenvolvimento da religião.
    Sedentarização.
  • Period:
    4,000 BCE
    to

    História: Idade dos Metais.

    Características
    O homem passou a usar metais, para fabricar instrumentos, ferramentas e armas, para cultivo agrícola, prática da caça e até mesmo a derrubada de florestas.
    A idade dos metais é subdividida em 3 grupos:Idade do Cobre, Idade do Bronze e Idade do Ferro.
    Os avanços na agricultura e a descoberta da escrita marcam o fim da Pré-História e início da História.
    Crescimento da população se acentuou em algumas regiões do planeta.
    Surgiram as primeiras cidades.
  • Period:
    4,000 BCE
    to

    História: Cobre, Bronze e Ferro.

    1 O homem começou a adquirir conhecimento de técnicas para derreter a moldar o cobre. com isso, passou a utilizar moldes de pedra para colocar o cobre derretido e produzir ferramentas, tais como as agrícolas e de luta, como espadas e lanças.
    2 Metal mais resistente que o cobre o bronze. Ele vem a partir da liga do cobre com o estanho e era matéria prima para a confecções.
    3 Dominando a metalurgia. Fornos de altas temperaturas. Armas ficaram mais resistentes e eficientes. Manuseio difícil.
  • Period:
    -800 BCE
    to
    -200 BCE

    Filosofia: Oraculo de Delfos.

    Centro religioso da Grécia antiga.
    A cidade de Delfos era a sede do principal templo grego, dedicado ao deus Apolo.
    Os gregos acreditavam que quando uma sacerdotisa – mulher escolhida entre as camponesas – inalava os gases no templo de Apolo, ela tinha seu espírito possuído por Apolo, que fazia as profecias por meio dela.
    Através de transe mediúnico, ela pronunciava as respostas em versos semelhantes aos usados nos poemas Ilíada e Odisseia, de Homero.
    O templo pagão foi fechado definitivamente.
  • Period:
    -700 BCE
    to
    Jun 30, 700

    Filosofia: Antiga.

    Conteúdo: Explicar a totalidade das coisas, ou seja, toda a realidade.
    Método: Explicação puramente racional da realidade, ou seja, fazer uso da razão, do lógos; encontrar a causa ou as causas das coisas precisamente através da razão.
    Objetivo: Puro desejo de conhecer e contemplar a verdade ou o conhecimento verdadeiro.
    Na filosofia antiga esta presente os pré socráticos, Tales de Mileto,
    Anaximandro e Anaxímenes.
    Criação da escola jônica.
  • Period:
    -700 BCE
    to
    -450 BCE

    Filosofia: Pré- Socráticos.

    Receberam esse nome pois vieram antes de Sócrates.
    Há pensadores pré socráticos depois de Sócrates, pois ao pensamento era o mesmo.
    Os primeiros filósofos chamados de “naturalistas”, se preocupavam em responder as seguintes questões: Como surgiu o cosmos? Quais são as fases e os momentos de sua geração? entre outras.
    A filosofia tem origem na Ásia Menor, composta por um grupo de homens que estudavam as origem da natureza, eles "estudavam" na Escola Jônica.
  • Period:
    -640 BCE
    to
    -548 BCE

    Filosofia: Tales de Mileto

    Considerado o pai da filosofia grega.
    Viajou muito.
    Á água é a origem de todas as coisas.
    Era matemático, geômetra e físico.
    Sete Sábios da Grécia.
    Previu um eclipse solar e calculou a altura de uma pirâmide.
    Teve como discípulo Anaximandro.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -610 BCE
    to
    -547 BCE

    Filosofia: Anaximandro.

    Filósofo da escola jônica.
    Natural de Mileto.
    Discípulo de Tales.
    Geógrafo, matemático, astrônomo e político.
    Autor de um mapa do mundo habitado e iniciador da astronomia.
    Origem de todas as coisas seria o apeíron, o infinito.
    O apeíron é eterno e indivisível, infinita e indestrutível.
    Teve como discípulo Anaxímenes.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -588 BCE
    to
    -524 BCE

    Filosofia: Anaxímenes.

    Filosofo da Escola Jônica.
    Explicar a origem do universo a partir de uma substância unica e fundamental.
    Substância era o ar infinito, pneuma ápeiron.
    Escreveu uma obra, como Anaximandro: Sobre a natureza.

    Dedicou se a meteorologia, foi o primeiro a considerar que a lua recebe a luz do sol.
    Espírito e ar são a mesma coisa.
    Ele identificou o ar através da observação.
    Identificou que ha vários graus de solides em uma matéria.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -571 BCE
    to
    -500 BCE

    Filosofia: Pitágoras.

    Nasceu em Samos.
    Grécia começou a considerar Dionísio um deus, o libertador de almas.
    Acreditava na divindade do número.
    O teorema do triângulo retângulo.
    A salvação dependia de um esforço humano subjetivo.
    Inventou a palavra filosofia.
    Os números constituem a essência de todas as coisas.
    Os astros são harmônicos.
    A escola de Pitágoras gerou os pitagóricos, que procuraram aperfeiçoar o sistema filosófico original.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -570 BCE
    to
    -475 BCE

    Filosofia: Xenófanes de Colofão.

    Viveu maior parte da sua vida na Sicília, fugindo da sua Terra natal.
    Defendeu um deus único, supremo, que não tinha a forma de homem.
    Contra a influência de Hesíodo e Homero.
    Não gostava de esportes.
    Teve como discípulo Parmênides.
    Para Xenófanes o deus é todas as coisas, o todo, é supra-sensível, imutável, sem começo, meio ou fim.
    Dialética é o processo pelo qual a alma se eleva, em degraus, da realidade sensível ao mundo das idéias.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -544 BCE
    to
    -450 BCE

    Filosofia: Parmênides.

    Nasceu em Eléia.
    Discípulo de Amínisas.
    Conheceu a filosofia de sua época.
    Escreveu um poema, cujo preâmbulo tem duas partes, a primeira trata da verdade, a segunda da opinião.
    Conclusões são contrárias às de Heráclito.
    Teve como discípulo Zenão.
    A razão age sobre o resultado final dos mesmos.
    Pré Socrático.
    Razão é unica e universal, imutavel.
  • Period:
    -540 BCE
    to
    -470 BCE

    Filosofia: Heráclito.

    Nasceu em Éfeso cidade da Jônia.
    Mais importante dos pré-socráticos.
    "Não entramos no mesmo rio duas vezes e o sol é novo a cada dia."
    Tudo nasce se transforma e se dissolve.
    Desprezava a religião e a plebe. Não participou da politica.
    Deus se manifesta na natureza.
    A verdade se encontra no devir, não no ser.
    O fogo é eterno.
    Existe a harmonia visível e a invisível.
    O fogo na alma humana é a vida e a água que apaga o fogo é a morte.
    O ser não é mais que o não ser.
    A mudança.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -499 BCE
    to
    -428 BCE

    Filosofia: Anaxágoras.

    Foi o primeiro filósofo a se transferir para Atenas, de onde foi banido por considerar o sol uma pedra incandescente e a lua uma Terra.
    Contra as divindades e contra os cultos aos deuses.
    Gostava de astronomia.
    Era filho de Hegesibuldo.
    Todas as coisas seriam infinitas em quantidade e pequenez.
    A lua reflete os raios de sol.
    Pensamento é universal.
    Puro= Nous.
    O nous é a alma que a tudo move, que liga e separa.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -490 BCE
    to
    -430 BCE

    Filosofia: Zenão de Eléia.

    Nasceu na Eléia.
    Interviu na política, dando leis à sua pátria.
    Divisibilidade infinita do espaço, pois um corpo percorrendo um espaço infinito em um tempo finito.
    O inventor da dialética, no sentido de diálogo.
    Mestre Parmênides.
    Adversário dos pitagóricos.
    Quando há o múltiplo, há o grande e o pequeno.
    Seus argumentos ficaram conhecidos como paradoxos de Zenão.
    Sacrificou sua vida por um Estado e seus amigos. Foi torturado e assassinado.
    Conteve com os limites da metafísica.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -490 BCE
    to
    -435 BCE

    Filosofia: Empédocles.

    Natural da Sicília.
    Defendeu a democracia na sua formação.
    Escreveu dois poemas. No primeiro apresenta uma única visão do Processo cosmogônico, e o segundo é religioso.
    Duas forças atuariam nas substâncias, o amor e o ódio.
    Dizia que alguns animais vêem melhor de dia do que de noite, e vice versa.
    Pensamento se produz com a sensação.
    Os animais têm pensamentos.
    É um filósofo trágico, pessimista.
    Queria provar que era um deus.
    Atirou no vulcão Etna para provar que era um deus.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -480 BCE
    to
    -410 BCE

    Filosofia: Leucipo.

    Natural de Mileto ou Eléia.
    Criador da teoria atomista, que foi desenvolvida por Demócrito.
    Discípulo de Zenão, de Parmênides e Melisso.

    Obra: A Grande ordem do Mundo.
    Haveria no mundo a matéria e o vazio.
    A matéria é constituída por átomos.
    Pensamento é a essência das coisas.
    A alma também se constituiria de átomos.
    Rejeitou a descoberta dos pitagóricos de que a Terra é esférica.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -470 BCE
    to
    -399 BCE

    Filosofia: Sócrates.

    Pai da filosofia socrática.
    Foi Escultor, guerreiro, senador e filosofo.
    Era considerado "parteiro de idéias".
    Objeto de estudo Homem.
    Na Grécia antiga as leis eram feitas para serem obedecidas e não para serem questionadas.
    Mas Sócrates não concorda pelo fato de só obedecer as leis, então ele começa a questiona-las.
    Ele é acusado de seduzir a juventude, de não honrar os deuses, desprezar as leis das polis entre outras.
    Ele foi morto.
    O bem é único e coletivo.
    "Só sei que nada sei".
  • Period:
    -470 BCE
    to
    -400 BCE

    Filosofia: Melisso.

    Nasceu em Samos, ilha do mar Egeu.
    Foi filósofo e político.
    Defensor de Parmênides, atacou Empédocles.
    O todo é imóvel.
    O vazio é um não ser.
    Tudo sempre existiu, e sempre existirá.
    O mundo é infinito.
    Pré Socrático.
  • Period:
    -460 BCE
    to
    -370 BCE

    Filosofia: Demócrito.

    . Nasceu em Abdera. Foi discípulo e sucessor de Leucipo, desenvolveu sus teoria atomista. É um dos primeiros materialistas. Teria deixado noventa obras. Desenvolve a teoria de que tudo seria composto por partículas minúsculas indivisíveis e invisíveis a olho nu, inclusive a alma. Os átomos são eternos e indivisíveis, pois se fossem divisíveis em partículas ainda menores, a natureza acabaria por se diluir. O vazio existe. O homem é infeliz pois não conhece a natureza. Pré-Socrático.
  • Period:
    -428 BCE
    to
    -348 BCE

    Filosofia: Platão.

    O mundo é dividido em 2: Sensível= pensamento/ mundo perfeito e Inteligível= criação do pensamento/mundo imperfeito.
    "Todos homens buscam a felicidade".
    Prática da ARETÉ: ordem, equilíbrio e harmonia.
    Depois de conhecer Sócrates, destinou se a filosofia.
    Contra os Sofistas.
    Sofistas: Homens sem conhecimento filosóficos, que dizem coisas bela para lisogenizar os homens.
    Tinha ideais políticos, que pretendia levar pra Dionisio, que não aceitou.
    Foi vendido como escravo, comprado e funda sua escola
  • Period:
    -384 BCE
    to
    -322 BCE

    Filosofia: Aristóteles.

    Homem quer o bem ou a EUDAIMONIA.
    Amizade, saúde e riquezas.
    Bens coletivos e individuais.
    Os bens são relacionados a prática.
  • Period:
    -300 BCE
    to
    -250 BCE

    Matemática: Euclides de Alexandria.

    Pai da Geometria.
    Nasceu na Síria.
    Realizou seus estudos em Atenas.
    Ele na história da Matemática é considerado como um dos mais significativos estudiosos deste campo.
    Seu mérito foi a preocupação em demonstrar os mais simples conceitos e prova-los.
    Ele seguia os princípios do método científico.
    Método científico:conjunto de passos que todo cientista segue para provar qualquer tese.
    Escreveu uma das mais importantes obras para o desenvolvimento da matemática, “Os Elementos”, com 13 volumes.
  • Period:
    Jun 30, 800
    to
    Apr 30, 1400

    Filosofia: Medieval.

    Pensadores europeus, muçulmanos e judeus.
    Igreja romana dominava a Europa.
    A igreja católica naquela época dominava a politica e o conhecimento.
    Filosofia medieval também é conhecida com o nome de escolástica, ensinada nas escolas.
    Método para expor suas ideias, DISPUTAS: tese devia ser ou refutada ou defendida com argumentos tirados da Bíblia, de Aristóteles, de Platão ou de padres da Igreja.
    Influências principais Platão e Aristóteles.
  • Period:
    Jun 30, 800
    to
    Jun 30, 1400

    Filosofia: Medieval 2.

    Surge propriamente a filosofia cristã que é uma teologia fundada na nova fé dominante no Ocidente.
    Método de disputa na Idade Média, o pensamento estava subordinado ao princípio da autoridade, uma ideia é considerada verdadeira se tiver respaldo nos argumentos de uma autoridade reconhecida - Bíblia, Platão, Aristóteles, um papa, um santo.
    Filosofia cristã: Padres apostólicos, padres apologistas, patrística e escolástica.
  • Period:
    Mar 30, 1189
    to
    Mar 31, 1418

    Português: Trovadorismo

    1 movimento literário.
    Presente na Idade média
    Economia feudalismo.
    Dedicado para a nobreza.
    Escritos pela baixa nobreza.
    Marco inicial do Trovadorismo é a “Cantiga da Ribeirinha”.
    Usavam instrumentos musicas para acompanhar.
    Cantigas são:
    Amor: Qualidades da mulher amada. Vassalo da mulher. Ambiente palaciano.
    Amigo: Eu lirico mulher. Lamentação. Amor real. conversa com a natureza. Ambiente popular.
    Maldizer: Sátiras diretas. Palavrão, erotismo.
    Escarnio: Sátira indireta. Ambiguidade. Ironia.
  • Period:
    Jun 30, 1400
    to

    Português: Grandes navegações.

    Com as grandes navegações a todo vapor, a língua portuguesa começa e se espalhar por todos os cantos do planeta, por onde os portugueses passavam, inclusive no Brasil.
  • Period:
    Jun 30, 1400
    to
    Jun 30, 1500

    Filosofia: Renascentista.

    Descoberta, das obras de Platão e de outras obras de Aristóteles, desconhecidas na Idade Média.
    Autores dedicam a resgatar obras dos gregos e recriá-las.
    Três grandes linhas de pensamento.
    1 concebia a natureza como um grande ser vivo, dotado de uma alma universal. O homem, poderia agir sobre o mundo por meio de conhecimentos e práticas que operam com essas ligações secretas, isto é, por meio da magia natural, da alquimia e da astrologia.
  • Period:
    Jun 30, 1400
    to
    Jun 30, 1500

    Filosofia: Renascentista 2.

    2 defendiam a liberdade das cidades italianas contra o poderio dos papas e dos imperadores.
    Recuperaram a ideia de república.
    Sua proposta era a da “imitação dos antigos”, ou o renascimento da república livre.

    3 - homem como artífice de seu próprio destino,
    por meio dos conhecimentos por meio da política, das técnicas e das artes.
    Por que se costuma falar no humanismo como traço predominante da Renascença, o homem centro do Universo, defendido liberdade e em poder criador e transformador.
  • Period: to

    Filosofia: Immanuel Kant.

    Homem como objeto de conhecimento.
    Segundo Kant na hora de realizar o dever não se deve pensar no resultado nem na conduta, mas o que importa é o porque você age e como você age.
    Imperativo categórico/ agir por dever: quando o sujeito age corretamento, sem pensar nos benefícios ou desejos. Agir sem ver consequências futuras.
    Imperativo hipotético/ agir segundo o dever: quando o sujeito age corretamento pensando nas ações futuras. Agir para se beneficiar, no futuro.
  • Period: to

    Química: Antoine Laurent de Lavoisier 1.

    Aos 23 anos Lavoisier fio eleito para a Académie des Sciences (a antiga Académie Royale des Sciences).
    Aos 29 anos ele se casou inesperadamente com a Anne-Marie de 13 anos.
    Ela aprendeu inglês de modo a poder informar o marido dos acontecimentos americanos.
    Arsenal de Paris, onde ele instalou um laboratório esplendidamente equipado.
    Rotineiro organizado, limpo fino, rico.
    Para ele a teoria dos quatro elementos não explicava nada.
    Derrubou a teoria dos quatro elementos através da fervura da água.
  • Period: to

    Química: Antoine Laurent de Lavoisier 2.

    Derrubou a teoria do flogístico.
    Provou que quando ocorria a combustão, não liberava flogistico mas sim capitava o ar.
    Ar De flogisticado= oxigênio.
    Os alemães não gostaram da descoberta do oxigênio por Lavoisier.
    Lavoisier estudou o processo de combustão e respiração que tinha características em comum.
    Lavoisier escreveu em 1787, Método da nomenclatura química, um sistema lógico de denominação.
    Definiu elementos.
    Contexto histórico: revolução francesa.
    Foi morto na guilhotina.
  • Period: to

    Geografia: Pai.

    Foi um geógrafo, naturalista e explorador.
    Estabeleceu relações entre fenômenos da natureza e as ações dos homens.
  • Period: to

    Sociologia: Karl Einrich Marx e Friedrich Engels.

    Marx: 5/05/1818 - 14/05/1883
    Filósofo, sociólogo, jornalista e revolucionário socialista.
    Foi muito importante para o rama da sociologia e filosofia.
    Criou a teoria Comunista.
    Publicou e escreveu vários livros falando sobre economia.
    Engels: 28/11/1820 - 5/08/1893
    Pensador social e filosofo.
    Trabalhou em empresa têxtil.
    Seu primeiro livro foi baseado na vida dos operários.
    Escreveu livros junto de Marx.
  • Period: to

    Sociologia: Émile Durkheim 1.

    Sociologia passa a ser uma ciência.
    Cria uma metodologia para estudar a sociedade.
    A sociedade é como um corpo vivo que só sobrevive quando as partes se unem.
    A solidariedade mantem a harmonia.
    Durkheim divide a solidariedade em 2 partes.
    1 solidariedade mecânica: a junção de uma sociedade que pratica a solidariedade mecânica é mais unida. Presente em sociedade simples. Coletivo.
    Os indivíduos realizam as tarefas coletivamente
  • Period: to

    Sociologia: Émile Durkheim 2.

    2 solidariedade orgânica. divisão entre a sociedade. Instituições ganhando força. Realização das tarefas individualmente. O individuo depende dos trabalhos dos outros.
    Sociedade simples. antes da revolução industrial. Sociedade unida. Regras criadas para punir o individuo que desrespeita o coletivo.
    Sociedade complexa. Regras infligidas não afeta o coletivo.
    Sociedade anômica, falta de regras.
    Fato social.
    Coercitivo, imposto ao individuo. Exterior, independente da vontade. Geral, todo lugar.
  • Period: to

    Sociologia: Weber.

    Para se produzir algo é preciso a pratica racional.
    Pratica racional gera a divisão do trabalho.
    Redução de custo e aumento de lucro.
    Obra base: A ética protestante.
    Mostrar que o protestantismo, vai contribuir para a sociedade comunismo. É o protestantismos que vai levar ao capitalismo.
    O sociólogo, estudioso precisa identificar e analisar as ações sociais.
    Durante o renascimento que o pensamento racional ganha força.
    Através da economia que o pensamento racional que a sociologia se desenvolve.
  • Period: to

    Sociologia: Weber 2.

    Capitalismo vem através dos desenvolvimentos tecnológicos.
    Artesão tem o contato total com o produto, do começo ao fim. Feudalismo.
    Manufaturas de serviços, cada um fica responsável por uma parte da produção, sem máquina. Idade média.
    Divisão do trabalho é resultado da pratica capitalista. Com a divisão do trabalho, gera uma maior produção, gerando mais lucro.
    Antes do capitalismo o que determinava o descanso era a natureza.
  • Period: to

    Sociologia: Weber 3.

    Capitalismo 3 fazes.
    Capitalismo comercial, grandes navegações.
    Capitalismo industrial, revolução indústria.
    Capitalismo financeiro, segunda revolução industrial.
    Analise do capitalismo. Fruto do desenvolvimento do protestantismo.
    O empregador, grande resistência as grandes inovações. Essas inovações podem fazer com que eles corram o risco sobre o comando dos empregados e das produções.
    Nudismo e cartismo. Movimentos contras as situações dos trabalhadores nas indústrias.
  • Period: to

    Sociologia: Weber 4.

    Protestantismo causa, instigações.
    Para se dedicar a deus, deve se dedicar ao trabalho: trabalhar mais, organização, esforço máximo, disciplina, honestidade. O trabalho aproxima de deus.
    Com a ética protestante gera o capitalismo consolidando com as políticas.
    A forma que o indivíduo se comporta é de acordo com a época que ele viveu. Diferentes momentos históricos e culturais geram indivíduos diferentes. Tentar a se adaptar a sociedade atual.
  • Period: to

    Sociologia: Weber 5.

    Weber: capitalismo gerado e evoluído graças as regras e éticas protestantes.
    A forma com que um idoso mexe com uma tecnologia é diferente de um adolescente.
    O indivíduo vai ver o mundo, ter um comportamento de acordo com o contexto histórico e cultura que ele viveu.
    Ações sociais.
    Nem todas as decisões tomadas por um grupo de indivíduos são ações sociais.
    Só é ação social quando os indivíduos adquirem os mesmos comportamentos, com a intenção de se tornar “moda”.
  • Period: to

    Sociologia: Weber 6.

    Ação social tradicional: um habito, costume mesmo que você não saiba o sentido. Se benzer na frente da igreja.
    Ação social afetiva: de acordo com as emoções ou estados emocionais. Brigar no campo de futebol.
    Ação social racional orientado por valores: crença consciente, desconsidera as consciências futuras.
    Ação racional orientada a fins: comportamentos e práticas orientadas a um fim, alcançar um objetivo.